Conteúdo que transforma.

Blog da Sin

SOBRE PAULO, PÔNEIS E FILÉ.

“Nunca deixe a verdade estragar uma boa história”. Sempre cito essa frase quando estou relembrando algumas memórias. Quem me conhece sabe que gosto de exagerar aqui ou acolá. Em uma dessas histórias, falo de Paulo André, meu amigo que queimou a largada na final dos 50 metros peito, em um campeonato que participamos em Natal, e foi eliminado no momento mais importante da competição. Digo que as arquibancadas estavam lotadas de pessoas gritando o nome dele, torcendo pelo seu sucesso, e o que viram foi muito decepcionante. Todos caem na gargalhada. Mas o que aconteceu de verdade é bem sem graça. Deviam ter umas 16 pessoas assistindo a prova. Ninguém ligou para o resultado. Ninguém se conhecia. Todos foram embora e viveram suas vidas.

Mas essa distorção da realidade é apenas uma ferramenta. No caso, para gerar boas risadas. Eu não estou tentado vender um produto pra ninguém. Ou serviço. É aí que o terreno muda.

As marcas adoram fazer analogias absurdas para incrementar o storytelling de determinada campanha. Sereias e pôneis malditos brotam em comerciais com a única ideia de seduzir o público, de atrair interesse. E tudo bem, é muito bem-vindo. Mas esses recursos não podem atravessar uma linha que provoque o engano no público. Se me prometem um celular que flutua e ele cai no chão, se minha Youtuber favorita convence a me tornar vegano e ela é pega comendo carne, eu tenho o direito de me indignar e riscar o nome daquela marca na lista de compras. O que fode é a expectativa. Tu num sabe. A surpresa tem que ser positiva. Optar por criar uma narrativa verdadeira me parece ser um caminho mais próspero. E não me refiro apenas a sua campanha publicitária, tô falando também do ponto mais intrínseco do seu negócio, da natureza dele existir. Essa autenticidade cria relevância, essa palavra tão bacana. Relevância fideliza. E fidelização significa uma só coisa: faturamento constante.

Paulo André vai continuar queimando a largada em frente às centenas de pessoas, mas a menina vai pensar duas vezes antes de pedir um filé com fritas.

Comentário